“Se não houver más surpresas”

O Valor diz o seguinte em editorial sobre a ata do Copom:

“Como a forma escolhida para o ajuste é gradual por sua natureza, e depende de reformas difíceis, como a da Previdência, a cautela do BC terá de ser exercida em um horizonte mais longo. O jogo estará dado para 2017 com a aprovação do Orçamento, que considera os parâmetros da PEC 241. Por isso, o decisivo de fato será a intensidade das próximas quedas do IPCA e a dinâmica dos preços dos serviços. Hoje, o BC fará o que diz na ata, que é conservadora. Mas ela abre espaço para mais audácia nos próximos meses, se não houver más surpresas.”

Sim, “se não houver más surpresas”.