Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

A dama paulista e o chuchu com sabor

Lula não é bobo: como franco favorito ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin terá papel decisivo no segundo turno da eleição presidencial
A dama paulista e o chuchu com sabor
Foto: Adriano Machado

No xadrez da eleição presidencial, o estado de São Paulo é a dama. Maior colégio eleitoral do país, é nele que os movimentos estratégicos de Lula se concentram. Ele plantou na imprensa, com a ajuda do amigo Gabriel Chalita, que Geraldo Alckmin (foto) poderia ser o seu vice na chapa presidencial, se o ex-governador for para o PSB. Quem faz parte do jogo diz que a chance é zero: Alckmin até conversou com Lula, mas não abriria mão de concorrer ao governo de São Paulo, numa disputa em que é franco favorito, segundo as pesquisas de que dispõe. Com essa jogada de atrair Geraldo Alckmin, Lula tiraria o principal oponente de Fernando Haddad ao Palácio dos Bandeirantes, território jamais ocupado pelo PT, e ainda levaria a sua própria candidatura presidencial mais para o centro, a fim de vencer resistências de parte do eleitorado. A ver se a chance é zero mesmo. De qualquer forma, Lula foi esperto ao aproximar-se do chuchu. Porque agora o chuchu tem sabor.

Geraldo Alckmin ainda está dividido entre ir para o PSD, de Gilberto Kassab, e a União Brasil, essa hidra que nasceu da fusão entre DEM e PSL. A hidra tem mais dinheiro para despejar numa campanha, e Gilberto Kassab apoiaria Geraldo Alckmin do mesmo jeito, se ele escolhesse a União Brasil. Mas quem Geraldo Alckmin e os seus partidos apoiariam no segundo turno da eleição presidencial? Como o chuchu agora tem sabor, ele terá influência nas decisões das siglas que estão na sua órbita.

A aposta neste momento é que, se Lula e Bolsonaro forem para o segundo turno, o petista será o beneficiado, com Geraldo Alckmin ajudando a vencer resistências na União Brasil. Mas, se o candidato a concorrer contra o petista for Eduardo Leite (na hipótese de ele vencer as prévias tucanas, evidentemente) ou Rodrigo Pacheco, o presidenciável de Gilberto Kassab, Geraldo Alckmin e PSD ficariam com o tucano ou o presidente do Senado. E se o vencedor das prévias do PSDB for João Doria? Aí, Lula estaria como pinto no lixo.

A única chance de Sergio Moro superar as barreiras políticas em São Paulo — e também no resto do Brasil — é ele conseguir desde logo uma larga vantagem nas pesquisas de intenção de voto. Se Geraldo Alckmin ressuscitou, então tudo é possível. Resta ver também se a ressurreição do chuchu não será efêmera: uma aliança, seja em que nível for,  com Lula parece difícil de engolir para os eleitores antipetistas do PSDB. 

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO