Precisamos escapar do universo paralelo de Lula e Bolsonaro

Precisamos escapar do universo paralelo de Lula e Bolsonaro
Reprodução/redes sociais

A manifestação na Avenida Paulista, no último sábado, simboliza a apropriação indébita e a impostura que ocorrem sob Jair Bolsonaro. O presidente que se elegeu aproveitando-se da bandeira anticorrupção da Lava Jato não só ajudou a destruir a operação, em conluio tácito com o PT e demais partidos implicados em crimes, como agora se utiliza de uma das figuras políticas mais associadas à corrupção do PT, o mensaleiro Roberto Jefferson, para fazer discurso na via paulistana que serviu de palco para os maiores protestos contra a corrupção já registrados no país, depois da redemocratização.

Foi como se descortinássemos um universo paralelo: o verde-amarelo de 2016 agora é do bolsonarismo; no alto do caminhão de som, Roberto Jefferson no lugar de personalidades respeitáveis; ao invés de exigência de democracia e fortalecimento das instituições, gritos por intervenção militar e fechamento do STF.

Por ocasião das manifestações de 2016, havia um grupo de aloprados com as mesmas bandeiras, ainda sem Bolsonaro, que ocupava uma pequena porção da avenida, pedindo absurdos idênticos: intervenção militar e correlatos. Não chegava a um quarteirão. O número dessas pessoas não aumentou tanto assim desde então. O problema é que, agora, eles são os únicos a ir para a rua. Está certo que, ao contrário dos demais, esse pessoal que aplaudiu Roberto Jefferson se comporta como aliado do vírus da Covid. Mas é de se perguntar se a maioria hoje silenciosa só está recolhida por causa da pandemia ou se apresenta mais do que cansada diante das sucessivas derrotas da Lava Jato em todas as frentes e do espetáculo estarrecedor que se desenrola sem freios em Brasília. Essa maioria hoje silenciosa não quer fechar instituição nenhuma e não quer saber de militar tomando poder. Continua a querer manutenção das liberdades democráticas, instituições que funcionam, honradez e honestidade.

É compreensível o cansaço de repetir as demandas, apontar as mesmas picaretagens e redundar nos protestos. Também é prudente não ir à rua, com um vírus ameaçador como o da Covid circulando livremente pelo Brasil. Mas nem o cansaço nem a prudência deveriam resultar em resignação. Estaria a maioria de 2016, hoje silenciosa, resignada? Essa impassibilidade pode se traduzir em duas formas perigosas nas próximas eleições, sem que a ordem implique hierarquia em matéria de risco: a primeira delas é a conclusão de que Lula é a opção mais sensata depois de quatro anos de selvageria. É a pedra angular da fraude do neolulismo. Lula também tinha o mesmo Roberto Jefferson e tudo o que ele representa ao lado dele. Lula também tem visão autoritária, apesar da sua malemolência paternalista, como expressaram os anos em que permaneceu no poder e o programa de governo do seu poste. Lula também deu no que deu, ao operar desvio de dinheiro público no varejo e no atacado. A outra forma perigosa é reprisar 2018 e votar em Bolsonaro, a fim de evitar Lula, fechando os olhos para as ignomínias cometidas por ele, para a sua sociopatia, para o aparelhamento das instituições na defesa da sua família e para as alianças com os corruptos especializados em operar no varejo — e que fatalmente pularão para o atacado.

Lula e Bolsonaro são duas faces de uma mesma podridão sistêmica. Assistir a Lula pregando por democracia e honestidade na paradigmática avenida Paulista será assistir igualmente a um espetáculo protagonizado num universo paralelo, só mudarão as cores. Não nos resignemos com essa gente. É preciso sanear a democracia brasileira. Trata-se de tarefa difícil — eu mesmo, aqui nesta trincheira, não consigo ver a paisagem clareada neste momento –, mas não é impossível. A democracia costuma se comportar como uma floresta que, depois de devastada, regenera-se com rapidez surpreendente mesmo para os especialistas. O que estava previsto para renascer em décadas recupera-se em questão de meses.

Apostemos na democracia, na sua capacidade de regeneração, e escapemos do universo paralelo de Bolsonaro e Lula.

Recolhidos e cansados, sim; resignados, nunca.

Leia mais: Assine a Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO