Conteúdo patrocinado por Produzido por OALab

Por que pagar juro de 124% aos bancos, se você pode pagar só 14%?

O médico Rogério* queria investir em um novo consultório, no Rio de Janeiro. Para isso, calculou que precisaria de R$ 850 mil. A empresária Rosana, de São Paulo, fez um plano para expandir os negócios da família, uma rede de distribuição de supermercados. O capital necessário: R$ 340 mil.

Nenhum dos dois recorreu aos escorchantes juros bancários, mas a uma modalidade de crédito que cresce a passos largos no Brasil: o empréstimo com garantia de imóvel, também conhecido como home equity ou refinanciamento de imóvel. Esse modelo, em que o tomador de empréstimo oferece seu imóvel como garantia, tem várias vantagens. Entre elas está a possibilidade de levantar um capital mais alto e devolvê-lo em prazo mais longo, desembolsando parcelas muito mais amigáveis.

Mas o principal benefício salta aos olhos: as taxas de juros são muito — e bote muito nisso — inferiores àquelas cobradas pelos bancos em operações tradicionais como crédito pessoal e até o empréstimo consignado. Não acredita?

Conheça mais

A Creditas, uma das empresas mais atuantes no segmento de empréstimo com garantia, oferece juros a partir de 1,15% ao mês, pós-fixado mais IPCA. No ano, isso representa 14,7%. E os bancos? Bem… Em alguns casos, o juro cobrado pelas instituições financeiras tradicionais chega a ser 22 vezes maior do que o da Creditas. Confira a comparação na tabela abaixo:

Juros da Creditas X juros dos bancos
Tipo de empréstimo Juros ao ano (média) Quantas vezes o juro cobrado é maior do que o da Creditas
Empréstimo com garantia de imóvel Creditas 14,7%
Empréstimo consignado (beneficiários do INSS) 26,7% 1,8 X
Empréstimo consignado (setor privado) 41,3% 2,8 X
Crédito pessoal não consignado 124,9% 8,5 X
Cheque especial 324,6% 22 X
Cartão de crédito rotativo 334,4% 22,7 X
Fontes: Creditas e Banco Central (março/2018). Saiba mais
Juros da Creditas X juros dos bancos
Tipo de empréstimo
Juros ao ano (média) Quantas vezes o juro cobrado é maior do que o da Creditas
Com garantia de imóvel Creditas
14,7%
Consignado (beneficiários do INSS)
26,7% 1,8 X
Consignado (setor privado)
41,3% 2,8 X
Crédito pessoal não consignado
124,9% 8,5 X
Cheque especial
324,6% 22 X
Cartão de crédito rotativo
334,4% 22,7 X
Fontes: Creditas e Banco Central (março/2018). Saiba mais

Como a Creditas faz o “milagre”?

Não é milagre. Fatores bem racionais explicam os juros mais baixos. Primeiro: ao oferecer o próprio bem como garantia, o tomador de empréstimo apresenta reais condições para quitar a dívida em caso de necessidade, reduzindo o risco da operação. Segundo: a Creditas é totalmente digital e não precisa arcar com os custos de manutenção de agências físicas, entre outras despesas dos velhos bancos. Com juros baixos, as parcelas também são reduzidas, o que contribui para uma inadimplência menor, alimentando um círculo virtuoso de juro baixo. “Em empréstimos de longo prazo, o comprometimento da renda é menor e a inadimplência fica abaixo de 1%”, afirma Fabio Zveibil, vice-presidente de desenvolvimento de negócios da Creditas.

Por mês, os brasileiros realizam cerca de 70.000 simulações de empréstimos com garantia no site da empresa. A operação é toda online: basta entrar na página e fornecer as informações cadastrais, financeiras e do imóvel. O valor da taxa oferecida pela Creditas sai em instantes. Se o interessado topar, começa o processo para o empréstimo, acompanhado por consultores da empresa. Os empréstimos variam entre R$ 30.000 e R$ 1 milhão, com prazo de pagamento entre 60 e 180 meses. Os valores financiados estão diretamente relacionados à avaliação do bem apresentado e chegam até a 60% do valor do apartamento, casa, imóvel comercial ou terreno.

Os brasileiros que já utilizam o empréstimo com garantia podem ser divididos em três perfis, segundo a Creditas: aqueles que buscam renegociar suas dívidas, trocando os estratosféricos juros bancários por taxas baixas, os que querem investir em um negócio próprio mas não possuem capital disponível para isso e, finalmente, aqueles que almejam realizar projetos de vida, como fazer uma reforma na casa, pagar os estudos dos filhos ou realizar uma viagem longa com a família, por exemplo.

“Precisamos mudar a percepção no Brasil de que crédito é uma coisa negativa”, diz Zveibil. “Não é. Quem tem um imóvel precisa ter condições para usá-lo para impulsionar sua vida ou os negócios. E não pagar os altíssimos juros tradicionalmente cobrados no país”.

Mas se o empréstimo com garantia de imóvel é tão vantajoso, por que os bancos praticamente o escondem de seus clientes? Simples: porque as operações de crédito oferecidas pelas grandes instituições financeiras são muito mais lucrativas… para elas próprias, claro. Zveibil, da Creditas, enumera outras três razões para os bancos tentarem manter tudo como está: eles têm altíssimos custos com agências e burocracia, e, por isso, precisam cobrar alto pelos empréstimos; eles têm medo de que o empréstimo com garantia “canibalize” seus produtos mais rentáveis (leia-se: com juros caríssimos) e, por fim, os bancos não sabem ou não querem administrar a modalidade de empréstimo com garantia.

Focada na produtividade, a Creditas, ao contrário, se especializou nesse tipo de análise. Criou um sistema de inteligência que verifica inúmeros indicadores relacionados ao potencial tomador de empréstimo: os números indicam a capacidade de pagamento de cada pessoa ou empresa, a liquidez dos bens apresentados como garantia e a propensão para pagar ou não o empréstimo. Tudo para oferecer o menor juro. E manter o imóvel nas mãos de seu proprietário.

O mercado vem reconhecendo a solidez da Creditas, que já recebeu aportes de 285 milhões de reais desde sua fundação, em 2012. Entre os principais investidores, estão alguns dos mais reconhecidos fundos do Brasil e do exterior, caso da KaszeK Ventures (investidor da Netshoes, Nubank e Dr. Consulta, entre outros), Naspers (do iFood), além de Redpoint eventures, Quona Capital e Endeavor Catalyst. Em abril, foi a vez do Santander Innoventures, fundo de venture capital do Santander, sediado em Londres: o aporte na Creditas foi o primeiro feito pelo fundo em empresa brasileira. Instalada em um dos principais centros de finanças e tecnologia de São Paulo, a Avenida Berrini, a Creditas conta com 410 funcionários, profissionais que ajudam milhares de brasileiros, como Rogério e Rosana, e empresas a realizar seus projetos a partir de crédito com qualidade.

Quer contratar as linhas da Creditas para empreender, reformar, viajar ou até mesmo trocar as dívidas caras? Clique no botão baixo e acesse o site da Creditas.

Conheça mais

* As histórias do médico Rogério e da empresária Rosana são reais. Por questão de privacidade, eles aparecem aqui com nomes fictícios.