Enquanto dezenas de países do mundo já iniciaram a vacinação contra a Covid-19, o Brasil patina entre duas vacinas que, se são melhores do que nada, não mostraram ser as mais eficazes. Além disso, faltam seringas e agulhas. A causa desse desgoverno é política, como mostra a Crusoé desta semana: a disputa eleitoreira entre Jair Bolsonaro e João Doria.

Leia um trecho da reportagem:

“Para qualquer governante minimamente cioso da responsabilidade do cargo que ocupa, o cálculo político deveria ser a última das preocupações quando o que está em jogo é a vida de milhões de pessoas. No Brasil, tem ocorrido o inverso desde o início da pandemia do coronavírus. Nos últimos dias, a exploração política do combate à Covid-19 alcançou o seu ápice, com o presidente da República e o governador do estado mais populoso do país claramente mais interessados nas vantagens pessoais que podem extrair da tragédia humana causada pelo vírus do que em conferir mais transparência e celeridade ao processo de apresentação de um imunizante que seja, ao mesmo tempo, seguro e eficaz.

Em meio aos seguidos e assustadores aumentos no número de mortes e ao dramático colapso do sistema de saúde — em Manaus, pacientes estão morrendo nos hospitais asfixiados por falta de oxigênio e doentes começaram a ser levados a outros estados por falta de leitos –, Bolsonaro e Doria têm protagonizado um espetáculo farsesco. Enquanto o governador de São Paulo, diante dos holofotes, tentou faturar politicamente em cima do anúncio de duas taxas parciais de eficácia da Coronavac – de 78% para casos leves e de 100% para casos moderados e graves – pinçadas estrategicamente de um recorte do estudo, o presidente comemorou quando o tucano, desta vez bem longe dos holofotes, teve de recuar e reconhecer que, na verdade, a eficiência geral da vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan era de 50,4%.”

É uma vergonha o que está ocorrendo. O enfrentamento atabalhoado da pandemia mostra a nossa miséria política, contra a qual não há vacina.

Assine a Crusoé, a revista que não tem medo de apontar os verdadeiros culpados pelas mazelas brasileiras, e apoie o jornalismo independente — aquele que não recebe dinheiro de governo nenhum.

Por que ter acesso ao combo

O ANTAGONISTA+ e CRUSOÉ?

Embora tenham o mesmo DNA, O ANTAGONISTA+ e CRUSOÉ são publicações com características e personalidades bastante distintas.

Explicando melhor: as duas publicações são complementares.

Enquanto O ANTAGONISTA+ oferece uma cobertura eletrizante e em tempo real dos principais fatos da política, CRUSOÉ traz reportagens investigativas aprofundadas e artigos analíticos sobre o presente e o futuro do Brasil.

O ANTAGONISTA+ coloca VOCÊ na trincheira da cobertura política, no corpo a corpo com os poderosos.

CRUSOÉ leva VOCÊ para a ilha do jornalismo independente, que propicia o aprofundamento e a reflexão.

Em conjunto, eles podem fazer o que nenhuma outra publicação faz por você.

O acesso às duas publicações é uma oportunidade única de saber — em tempo real e em primeira mão — os movimentos nos bastidores da política brasileira e, adicionalmente, entendê-los em profundidade, antever seus desdobramentos para o país e até as consequências para a sua vida.

Mais: nenhuma das publicações veicula anúncios de órgãos públicos de qualquer Poder (Executivo, Legislativo e Judiciário) e esfera (federal, estadual ou municipal), tampouco de empresas estatais ou companhias privadas enroladas em escândalos de corrupção.

Recusamos integralmente qualquer recurso proveniente dessas fontes.

O princípio é: o jornalismo independente não pode ter vínculos comerciais com autoridades e instituições que ele, o jornalismo independente, deve fiscalizar

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA

1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo

1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE

A Coluna Exclusiva de Sergio Moro

Podcasts e Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Claudio Dantas, Ruy Goiaba, Felipe Moura Brasil, Carlos Fernando Lima e equipe

Newsletters Exclusivas