9 dias, 4 mortos

José Renê Araújo Barros, de 35 anos, é o quarto policial morto no Rio de Janeiro em 2018.

Ele foi baleado na manhã de hoje durante confronto com bandidos na comunidade Lagomar, no norte fluminense.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. caçador de burros disse:

    Vc policial morto é o culpado pelo déficit da previdência. Meus pesâmes a família.

Ler comentários
  1. Diogo disse:

    ué, mas ele não era funcionário público e vagabundo.

  2. Marlene disse:

    Os "direitosumano" disseram alguma coisa? Ou só é lamentável a morte de bandido?

  3. O ET disse:

    Quem sabe Maria do Rosário pode dar um apoio moral para a família e corporação...

  4. amazonas disse:

    Não tem outra saída, INTERVENÇÃO FEDERAL, é como começará a melhorar, caso contrario, continuaremos lendo matérias sobre morte de policial. VERGONHA!. FORA TEMER!.

  5. Luiz disse:

    Tudo nos conformes! O pezão neste momento deve estar discutindo os preparativos para o carnaval que se aproxima. É samba no pé minha gente, ou melhor, é samba no pezão minha gente...

    1. E Sérgio Cabral protegido por diversos segurança nesse momento. Daqui há pouco o STF o solta e vai curtir a vida com o dinheiro consequente da morte alheia. É ou não é um assassino por tabela?

  6. Marxismo Cultural disse:

    No Brasil se resolvem os problemas sociais apenas mudando nomes. Favela vira "comunidade" e tudo está bem. Como mudar sigla de partido, em um passe de mágica o purifica até o último átomo. E assim o poder inculca a conformidade com a miséria e a corrupção no inconsciente do povo. Mas os progressistas já estão ficando animados, afinal este ano o RJ já começou com tudo para quebrar mais um recorde.

  7. O Trepanador disse:

    O Brasil é um puteiro sujo e o Rio é sua latrina.

  8. OSSO DURO disse:

    Sem demagogia , falando serio e conciente , Rio de Janeiro nunca mais tera solução para essa bandidagem , tanto Governos , Prefeitos , Vereadores perderam completamente as rédeas da situação,alias o Governo por exemplo Cabral , é mais podre que essa bandidagem que esta a solto. Como disse Rio sem solução , o mais correto é as pessoas de bem sair do Rio , deixar que vire de uma vez para sempre FA VE LA ( nao é comunidade , parem de frescura ,é favela ) e que se torne uma cidade fantasma , pergunte se existe pessoas de bem de outros estados se quer mudar para o Rio de Janeiro , eu moro no Sul do Brasil , nem que me dessem uma moradia de graça iria para o Rio ,cidade de BAN DI DOS ....

    1. Concordo plenamente. O Rio já se tornou causa perdida. A prova disso é essa pífia tentativa de mudar a percepção das pessoas através da linguagem. Não têm mais como dar conta das favelas então as rebatizam de "comunidades".

  9. Z. disse:

    Rio de Garotinho, Cabral, Pezão e Dornelles.. Rio de César Maia, Paes e Crivella... Rio, Cidade Olímpica. Rio...

  10. Observador disse:

    O Rio está em guerra entre 2 poderes paralelos, mas o Estado está perdendo. Alerta para RS, PE, ES, GO e SP. O crime organizado agradece a ORCIM. que ainda permanece e pretende continuar no poder.

  11. MARCO BETTEGA disse:

    134 em 2017. 4 . . . e contando em 2018. E nada será feito . . .

  12. Renato disse:

    Policiais militares: juntem-se e deem voz de prisão às autoridades, comunistas que querem a "desmilitarização" das polícias para implantação do comunismo em definitivo. Reajam ou serão EXTERMINADOS.

  13. Belzebunda disse:

    Seria de bom tom parar de veicular que PMs no Rio de Janeiro são mortos em casos de latrocínio. Que tal começar a imaginar que ... eles estão sendo abatidos?

  14. Luana16 disse:

    "Preços dos imóveis têm primeiro ano de queda em 2017, diz FipeZap" "Sem considerar a inflação esperada, foi a primeira retração para um ano fechado desde o início da série histórica do indicador, há dez anos. (...) Os preços anunciados refletem os valores pedidos pelos vendedores antes da negociação do imóvel e não correspondem, necessariamente, ao preço final da venda. (...) Cidades/13 das 20 cidades pesquisadas tiveram queda nominal no preço anunciado para venda no último ano. A cidade com o maior recuo foi o Rio de Janeiro (- 4,45%), seguida de Niterói (- 3,43%). (...)" [https://g1.globo.com/04/01/2018]