Ex-fiscal diz que uso de violência era autorizado no Carrefour de Porto Alegre

Ex-fiscal diz que uso de violência era autorizado no Carrefour de Porto Alegre
Foto: Reprodução

Um ex-fiscal afirmou à polícia que a gerência da unidade do Carrefour na zona norte de Porto Alegre autorizava o “emprego de violência” em clientes que “estavam causando problemas”.

É a unidade da rede de supermercados em que João Alberto Silveira Freitas, 40, morreu na quinta (19) após ser espancado por dois seguranças, Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva, ambos presos.

Segundo o UOL, que teve acesso ao depoimento, o ex-fiscal de 34 anos, que não teve seu nome divulgado, relatou à polícia que o uso de violência ocorria também para que suspeitos confessassem “furto ou confusão ocorrida no interior do estabelecimento”.

O homem afirmou que, naquela unidade do Carrefour, há uma sala sem câmeras de segurança próxima de onde Freitas foi espancado.

De acordo com o ex-fiscal da loja, é “usual a prática dos seguranças do local de imobilizar suspeitos e levar até a referida sala para que nada fosse gravado pelo sistema de segurança”.

Leia mais: A revista que fiscaliza TODOS os poderes e conta com os melhores colunistas do Brasil.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 67 comentários
TOPO