Juíza rejeita denúncia contra chefe de gabinete e reitor da UFSC

A juíza Simone Fortes, da 1.ª Vara Federal de Florianópolis, rejeitou denúncia do MPF contra o reitor da UFSC, Ubaldo Balthazar, e o chefe de gabinete da reitoria, Aureo Mafra de Moraes, relata Fausto Macedo.

Os dois eram acusados de ofender a “honra funcional” da delegada Erika Marena, ex-Lava Jato, que investigou acusações de desvio na universidade.

Aureo apareceu num vídeo que exibia uma faixa em que Marena era acusada de abuso de poder. Na Operação Ouvidos Moucos, a delegada mandara prender Luiz Carlos Cancellier de Olivo, o reitor anterior da UFSC, que não era suspeito de desvios. Cancellier se matou 18 dias depois.

Ao rejeitar a denúncia, Fortes escreveu que a manifestação “estaria dentro do exercício da liberdade de expressão, expondo sentimentos de revolta em um momento traumático para a comunidade universitária, sem que tenha havido ofensa à honra da delegada”.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler comentários
  1. RENATO disse:

    Se fosse o Bolsonaro seria um carnaval, chamariam ele de nazista, facista e assassino, é assim que a banda podre da justiça age

  2. Ciro_Convictus disse:

    "Honra funcional"?! Eainda querem independência funcional, como o MP.

  3. Niina disse:

    É difícil opinar sem analisar os fatos ou o processo. Mas, juízes, promotores e servidores públicos cometem abuso de poder e não podem ser imunes a críticas, escorados numa censura judicial covarde.

  4. Maria disse:

    Essa história toda é muito estranha. Parece um ataque tramado contra a Lava Jato.

  5. Gilberto disse:

    Realmente uma acusacao sem comprovacao eh um crime, quando acusam e prendem tem que ter certeza do que estao fazendo, caso contrario tem que os acusadores serem presos.

  6. Alberto disse:

    Porque um inocente se suicida? Vivo teria oportunidade de provar inocência, colocando quem o acusou na cadeia. Era o certo a fazer.

    1. Uai! Se nem evidência tinha a delegada tem que ser internada num hospício né? Mas quem acredita nisso? Algo não está bem explicado nesse caso. Aguardemos!

    2. Ninguém tem que provar a sua inocência, Quem tem que provar a culpa de quem quer que seja é quem acusa. E, se não tiver nem evidências, como no caso do reitor, não deve fazê-lo.

    3. O medo de enfrentar a realidade ... Verdades torturam os enganados.

  7. Lili disse:

    Delegada Erika Marena meus agradecimentos pelos serviços prestados na Lava Jato. Corajosa, honrada e correta. Infelizmente tiraram ela da força tarefa, assim como outros excelentes profissionais.

  8. Romulo disse:

    Tem um aí respondendo em todos os comentários afirmando que não existem provas. Ora, o cara simplesmente foi pego obstruindo as investigações do corregedor da UFSC sobre os desvios. Inocente...

    1. Pensar antes de falar evita vexames. O reitor foi preso sob a acusação de "obstrução de justiça". Só que nada foi encontrado contra ele neste sentido, mesmo depois de um ano de investigações...

  9. Niina disse:

    Interessante é gente não entender que se pode condenar algo in abstracto por saber que existe, como a pedofilia, e se abster de condenar um individuo em particular por não saber dos fatos da acusação

  10. Marcus disse:

    ... exato! Alguma coisa está omitida nesta história...

  11. Augusto disse:

    Vamos ver o que ela diz quando fizerem o mesmo com ela!

  12. LUIZ disse:

    Tendo a acreditar que afinal o infeliz talvez não devesse nada mesmo. Mas suicidar-se ao invés de em seguida , como inocência uma vez comprovada, lascar uma ação para indenização, não pegou bem.

  13. C\'est disse:

    Neste país o que presta são analfabetos funcionais!. Se acordam as 05:00 para labutar e estudar em universidades, náo públicas, mas com muitas isenções , e também pagas pelos contribuintes.

  14. Nyco disse:

    Tanakara que alguém "suicidou" o reitor. Alguém da UFSC delatou o mega esquema de desvio de verba do EAD onde tinha muita gente influente envolvida, inclusive uma certa "irmandade".

  15. Eduardo disse:

    Até que enfim alguém em SC colocou têrmo à sanha persecutória do MPF. Já bastou a tragédia do suicídio do reitor da UFSC - contra o qual nenhuma prova foi achada, após um ano de investigações...

    1. Marcus: Se existe, por que é que não foi provado? O resultado da investigação não apontou nada com relação ao reitor. Mas se você sabe o que é, divulgue e apresente as provas, então.