Nas estradas federais, 67 mortos e mais de mil feridos

O balanço de réveillon da Polícia Rodoviária Federal registrou 67 mortes nas estradas federais entre 29 de dezembro de 2017 e 1º de janeiro de 2018, com 1.008 feridos.

Além disso, 565 pessoas foram flagradas dirigindo alcoolizadas, e outras 3.208 ultrapassaram em locais proibidos.

A PRF disse não ter comparado os números com os do feriado do ano anterior porque, em 2017, o 1º de janeiro caiu em um domingo.

Entre 30 de dezembro de 2016 e 2 de janeiro de 2017, houve 87 mortos em acidentes e 1.130 feridos nas rodovias federais.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 4 comentários
  1. Estatística macabra: 67 brasileiros não viram o raiar do 1° dia de 2018.. e mais de 1000 infelizes passaram o réveillon internados num hospital, sendo que, muitos desses acidentados, ainda correm risco de morte.
    Há casos de famílias inteiras sem sobreviventes. Quanto mais atrasado e ignorante for um povo, mais imprudente, homicida e suicida ele será atrás de um volante. Ônibus, carros, motocicletas são só um instrumento. Sem falar nas péssimas condições da maioria das rodovias do país.
    Aos mortos, R.I.P.

  2. 99% dos acidentes são causados por: álcool, drogas, dormir ao volante, imperícia total do condutor (domingueiros, velhos gagás, mulher que comprou a carteira etc), má condição do veículo ou furar sinal vermelho em cruzamento. Aí vem os ladrões e psicopatas miseráveis do Governo e da TV e começam a falar que a culpa é da velocidade e entopem tudo com radares QUE NÃO REDUZEM EM NADA OS ACIDENTES. Se a culpa fosse da velocidade, todo mundo da F1 estaria morto. Não é, e nunca foi.

  3. Não se vê nada de bom nas notícias sobre o Brasil. NADA.
    Ou é roubo ou é impunidade, ou é falência de tudo ou é tragédia.
    E se coloca no meio das mazelas, como “alegria” e “esperança” as babaquices para alienados, como festas de ano-novo e carnaval.
    No fundo é só a válvula de escape para a desesperança do poveco, que insiste em bailar sobre suas próprias cinzas.