No Ceará, facções rivais se juntam para ‘concentrar as forças contra o estado’

Segundo fonte do Serviço de Inteligência da Secretaria da Segurança do Ceará ouvida pelo G1, membros de duas facções rivais se juntaram com o objetivo de “concentrar as forças contra o estado”.

A ordem dos ataques teria partido de um detento da Unidade Prisional Agente Luciano Andrade Lima, na última quarta-feira.

Para Cláudio Justa, presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Ceará, os atentados são uma represália à afirmação do novo secretário de Administração Penitenciária, Luís Mauro Albuquerque, que disse que “o Estado não deve reconhecer facção” em presídio.

O que o brasileiro quer de Jair Bolsonaro? Leia aqui

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

AJUDA