ACESSE

Prazo da maioria das denúncias contra João de Deus expirou

Telegram

A delegada Karla Fernandes, responsável pela investigação de João de Deus, disse que o médium não vai responder pela maioria dos crimes de abuso sexual dos quais é suspeito, registra a Folha.

Os 15 casos sob análise da Polícia Civil de Goiás, segundo Karla, referem-se a posse sexual mediante fraude –no caso específico, aproveitar-se da fé das mulheres para cometer atos libidinosos.

Até setembro deste ano, a lei previa um prazo de até seis meses após a data do fato para a denúncia ser feita. Mas quase todas as acusações ao médium são antigas, e a comunicação não se deu em tempo hábil.

Embora a legislação penal tenha mudado em setembro –agora o prazo decadencial não existe mais para esse tipo de crime–, a mudança não se aplica aos casos anteriores.

A lei brasileira não permite que uma regra nova retroaja para prejudicar o réu.

É o assunto do momento: a movimentação de mais de 1 milhão de reais do ex-motorista de um dos filhos de Jair Bolsonaro LEIA AGORA

Comentários

  • José -

    João do coisa ruim!! Esse superou o tarado e maluco do roger abdel...........

  • Rômulo -

    🇧🇷 Nós homens estamos correndo grande risco, faz sexo consensual termina uma relação e três anos depois por inveja a mulher te acusa de estupro, mesmo que não seja condenado sua vida vira u

  • Maria -

    Atrás das “doações”! Aí, é corrupção! E das feias!

Ler 28 comentários