Quem é Carlos Bolsonaro?

Quem é Carlos Bolsonaro?
Foto: Caio César/Câmara do Rio

Carlos Nantes Bolsonaro, o 02, é o segundo filho de Jair Bolsonaro. Desde 2001, ele é vereador pela cidade do Rio de Janeiro. Hoje, é filiado ao Republicanos.

Carluxo, como também é chamado, é o filho do presidente mais ativo nas redes sociais. Costuma fazer ataques às mais diversas figuras políticas e celebridades do país que fazem críticas ao seu pai ou a integrantes do governo Bolsonaro. O 02 é um dos responsáveis por administrar as redes sociais do presidente. A PF identificou uma ligação de Carlos com o chamado “gabinete do ódio”, que funcionaria no Palácio do Planalto, e com uma rede de produção de fake news.

Apesar do cargo de vereador, Carluxo costuma atuar em Brasília como assessor informal de Jair Bolsonaro.

Assim como seu pai e seu irmão Flávio, Carlos mantinha funcionários fantasmas em seu gabinete, de acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro. A família Bolsonaro promovia uma rotatividade de assessores que devolviam a maior parte dos seus salários. 

Quem são os irmãos de Carlos Bolsonaro?

Reprodução/Twitter/Eduardo Bolsonaro
Carlos Bolsonaro é irmão de Flávio e Eduardo Bolsonaro. Ambos são filhos da primeira esposa de Jair, Rogéria. 

O vereador tem como meio-irmão Jair Renan, filho do segundo casamento do presidente, com Ana Cristina Valle, e como meia-irmã Laura, filha da atual esposa de Bolsonaro, Michelle.

De acordo com a numeração militar utilizada pelo presidente para se referir aos filhos em ordem cronológica, Flávio é o 01; Carlos, o 02; Eduardo, o 03; e Renan, o 04. Laura, ou “Laurinha”, fica de fora da contagem.

Formação e carreira política

Foto: Renan Olaz/CMRJ
Carluxo, como é chamado, nasceu em 1982, fruto do primeiro casamento do presidente, com Rogéria Bolsonaro. Ele se formou em ciências aeronáuticas pela Universidade Estácio de Sá.

Carlos foi o primeiro dos filhos do presidente a entrar para a política. O 02 foi eleito vereador pela primeira vez aos 17 anos, em 2000, pelo PPB. Na ocasião, Jair, que estava em processo de separação com Rogéria, apoiou o filho em vez de a então esposa, que também se candidatara.

Desde então, Carluxo passou por partidos como PTB, PP e PSC, até chegar ao Republicanos. 

O MP-RJ aponta que, desde o primeiro mandato, o 02 manteve funcionários fantasmas em seu gabinete.

Investigações sobre rachadinha

Adriano Machado/Crusoé
Foto: Adriano Machado/Crusoé
O MP-RJ aponta que ao menos quatro funcionários do gabinete do vereador Carlos Bolsonaro sacaram 87% de seus salários em dinheiro vivo. Juntos, eles retiraram um total de R$ 570 mil.

Entre os supostos funcionários fantasmas de Carlos, estão Márcio Gerbatim e seu sobrinho Claudionor Gerbatim. Os dois trabalham como cabeleireiros no Rio. Márcio foi casado com a esposa de Fabrício Queiroz, Márcia Aguiar. No período em que esteve lotado no gabinete, entre 2008 e 2010, ele recebeu R$ 89 mil reais e sacou pelo menos R$ 86 mil, 97% dos ganhos.

O sobrinho, Claudinor, que antes trabalhava no gabinete de Flávio, trocou de posto com o tio e passou a trabalhar para Carluxo em 2010.

As investigações indicam que havia uma rotatividade de funcionários fantasmas entre Flávio, na Alerj, Jair, em Brasília, e Carlos, na Câmara Municipal do Rio.

Carlos Bolsonaro e as Redes Sociais 

Foto: Reprodução/Redes SociaisApesar de ser vereador, Carlos atua como assessor informal de Jair Bolsonaro, sendo um dos responsáveis por administrar as redes sociais do presidente. Segundo o próprio pai, Carluxo comandou, desde 2010, todo o marketing eleitoral da campanha presidencial de 2018.

Em 2017, o militante virtual Tercio Arnaud, que viria a ser associado ao “gabinete do ódio”, foi nomeado para o cargo de auxiliar de gabinete de Carlos no Rio. Mais tarde, descobriu-se que ele não trabalhava na Câmara dos Vereadores carioca, mas na campanha presidencial de Jair. Tércio acabou sendo nomeado para o gabinete pessoal da Presidência.

Em abril de 2020, a Polícia Federal apontou que o 02 é um dos supostos articuladores de um esquema de disseminação de fake news.

Nas redes sociais pessoais, Carluxo costuma fazer ataques grosseiros às mais diversas figuras políticas do país e celebridades que fazem críticas ao seu pai ou a integrantes do governo federal, em especial os da “ala ideológica”, como o Filipe Martis, assessor especial do presidente.

Nesse contexto e também nos bastidores, Carlos é conhecido por fazer intrigas contra membros do governo que ele passa considerar desafetos por receio de ter a sua própria ascendência sobre o pai diminuída. Ele foi o pivô da saída de Gustavo Bebianno da Secreta de Governo e esteve envolvido na polêmica que levou à exoneração do General Santos Cruz. Carluxo também já gerou confusões com o vice-presidente Hamilton Mourão, a quem acusa de querer derrubar o seu pai, e com o General Luiz Eduardo Ramos.

Histórico

Foto: Reprodução/Redes Sociais
1982 – Nasce Carlos Bolsonaro, no hospital da Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, no Rio de Janeiro.

2000 – Carlos é eleito vereador do Rio de Janeiro, aos 17 anos pelo PP.

2003 – Carluxo se torna líder do partido.

 Migra para o PTB, do qual ocupa o cargo de líder.

2004 – O 02 se filia ao PTB e é reeleito vereador.

2006 – Carluxo volta ao PP como líder.

2008 – Carlos é eleito para o terceiro mandato como vereador pelo PP. Jair Bolsonaro fez um depósito de R$ 15 mil em dinheiro na conta de campanha do 02, que também recebeu R$ 10 mil do próprio Carluxo.

Ex-marido da atual mulher de Queiroz, Márcio da Silva Gerbatim passa a constar como assessor no gabinete de Carlos Bolsonaro. Ele é apontado como funcionário fantasma.

2009 – O 02 se torna presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Câmara do Rio.

Flávio e Carlos Bolsonaro usam R$ 31 mil em espécie para cobrir prejuízos que tiveram investindo na Bolsa de Valores.

2010 – O sobrinho da ex-mulher de Queiroz Carlos Gerbatim ingressa no gabinete de Carluxo. Ele viria a ser apontado como funcionário fantasma.

2012 – Carlos é eleito para o quarto mandato como vereador pelo PP. Jair Bolsonaro fez um depósito de R$ 12 mil em dinheiro na conta de campanha do 02, que também recebeu R$ 10 mil do próprio Carluxo.

2016 – Carlos é eleito para o quinto mandato como vereador pelo PSC.

2017 – O militante virtual Tercio Arnaud Tomaz é nomeado para o cargo de auxiliar de gabinete de Carlos Bolsonaro. Mais tarde, viria a ser constatado que ele atuava na campanha de Jair Bolsonaro. Em 2019, o assessor foi nomeado por Jair Bolsonaro para o gabinete pessoal da presidência. Mais tarde, ele seria apontado como um dos integrantes do gabinete do ódio.

2020 – Carlos é eleito para o sexto mandato consecutivo pelo Republicanos.

 

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO