Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Saiba tudo o que disse Ernesto Araújo na CPI

Pressionado pelos senadores, o ex-ministro das Relações Exteriores gaguejou durante todo o depoimento e fugiu dos questionamentos
Saiba tudo o que disse Ernesto Araújo na CPI
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo prestou depoimento à CPI da Covid nesta terça-feira (18).

Ele tentou negar seus ataques sistemáticos à China e atribuiu ao Ministério da Saúde a responsabilidade pelo atraso na compra de vacinas do consórcio Covax Facility, da OMS.

O ex-chanceler disse que não repassou a Jair Bolsonaro a carta da Pfizer com oferta de vacinas, encaminhada inicialmente ao embaixador Nestor Foster, porque presumiu que ele já tivesse recebido.

Ernesto ainda admitiu que pediu a cabeça do embaixador chinês, Yang Wanming, e reiterou a acusação que fez à senadora Kátia Abreu em março.

Pressionado pelos senadores, o ex-ministro gaguejou durante todo o depoimento, fugiu dos questionamentos e se contradisse diversas vezes. Nem parecia o valentão do Twitter.

O que disse Ernesto Araújo

Demissão

  • O ex-chanceler disse que foi demitido por Jair Bolsonaro para não dificultar as relações com o Senado”. Ernesto deixou o cargo após insinuar que a senadora Kátia Abreu tentava favorecer a China na implementação do 5G no país. O ex-ministro negou que sua saída teve a ver com a compra de vacinas.
  • A senadora participou da sessão, como representante da bancada feminina, e fez duras críticas ao ex-ministro.
  • Após Kátia Abreu deixar a CPI, Ernesto reiterou as acusações à senadora, afirmando que havia dito a verdade.

Relação com a China

Importação de cloroquina da Índia

  • Ernesto Araújo confirmou que o presidente Jair Bolsonaro pediu ao Itamaraty um telefonema para o primeiro ministro indiano, Narendra Modi, para viabilizar a importação de cloroquina. Segundo ele, o próprio Ministério da Saúde solicitou o apoio da pasta para ampliar o estoque do medicamento.

Acordo com o consórcio Covax

Comitiva brasileira para Israel

  • Ernesto Araújo comentou a viagem da comitiva brasileira para Israel em março para obter informações sobre o spray nasal EXO-CD24, que supostamente cura o novo coronavírus. Como mostramos, o Brasil não fechou acordo para a compra do produto. O ex-chanceler disse que, durante a viagem, a comitiva teve apenas uma reunião para discutir o processo de imunização israelense.
  • O ex-chanceler foi questionado sobre o porquê de Marcos Moura, assessor do presidente Jair Bolsonaro sem qualquer formação científica, ter participado da viagem. Ernesto negou que ele tenha ido “a passeio”.

Carta da Pfizer

  • Ernesto Araújo disse que ninguém do Itamaraty foi procurado por membros do governo para tratar da carta da Pfizer com oferta de vacinas, que ficou dois meses sem resposta. Ele disse não saber o que pode ter motivado o atraso do Brasil em se posicionar. Um dos destinatários da carta foi Nestor Foster, embaixador do Brasil nos Estados Unidos, subordinado de Ernesto.
  • O ex-chanceler disse que não comunicou o presidente Jair Bolsonaro sobre o recebimento porque achou que ele já tivesse sido notificado.

Colapso no Amazonas

  • Ernesto foi confrontado pelos senadores sobre a decisão do Itamaraty que impediu que o oxigênio doado pela Venezuela ao Brasil em meio ao colapso em Manaus fosse transportado por aviões da FAB. O oxigênio acabou chegando por via terrestre. O ex-chanceler negou a informação, mas confirmou que não pediu ajuda para a Venezuela ou agradeceu pela doação.

Olavo de Carvalho e Filipe Martins

  • Ernesto Araújo negou que Olavo de Carvalho seja seu “guru” ou que astrólogo oriente Jair Bolsonaro durante a pandemia.
  • O ex-chanceler afirmou que conversava “muito frequentemente” com Filipe Martins, assessor internacional da Presidência da República. Ernesto também disse que “é possível” que Martins tenha opinado sobre vacinas.
  • O ex-ministro afirmou que, além de Filipe Martins, Eduardo Bolsonaro também auxiliava o presidente da República em assuntos ligados a política externa.

Leia mais: Assine a Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO