Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Saiba tudo o que disse Roberto Dias à CPI da Covid

O ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde mentiu diversas vezes aos senadores e acabou sendo preso por falso testemunho
Saiba tudo o que disse Roberto Dias à CPI da Covid
Foto: Pedro França/Agência Senado

O ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde (Delog) Roberto Ferreira Dias prestou depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira (7).

Ele negou as acusações de que teria pedido propina, caiu em contradições em diversas oportunidades e não explicou por que estava negociando imunizantes.

Ao fim da sessão, o presidente da comissão, Omar Aziz, determinou que o depoente fosse preso por falso testemunho.

Saiba tudo o que disse Roberto Dias à CPI:

Conversas com a Davati

  • Roberto Dias disse que, antes do jantar com Luiz Paulo Dominguetti no dia 25 de fevereiro, já havia conversado com Cristiano Carvalho, outro representante da Davati Medical Suply, sobre a oferta de vacinas.
  • O ex-diretor do Delog afirmou, no entanto, que, até então, Cristiano não falava em nome da Davati. Ele se dizia representante da Latin Air Supply.
  • O depoente afirmou que só tomou conhecimento sobre a Davati  no jantar em que encontrou Dominguetti, quando foi informado que ele trabalhava com Cristiano.
  • Segundo Dias, a oferta de 400 milhões de doses de imunizantes da AstraZeneca foi feita pela primeira vez por Cristiano, por meio do ex-assessor do Delog coronel Marcelo Blanco.

Jantar com Dominguetti

  • Roberto Dias afirmou que, em 25 de fevereiro, foi tomar um chope após o expediente com o amigo Ricardo Santana, no restaurante Vasto, em um shopping de Brasília.
  • Ele disse que, enquanto bebia com o colega, encontrou, por acaso, o coronel Marcelo Blanco, acompanhado de Luiz Paulo Dominguetti.
  • Depois de muita insistência dos senadores, Dias admitiu que “havia comentado” com Blanco que estaria no restaurante. A fala contraria a versão de Dominguetti, que disse à CPI que chegou ao local sozinho e que os três já estavam lá.
  • Dias afirmou que essa foi a primeira vez em que conversou Dominguetti. No entanto, um áudio obtido por O Antagonista e Crusoé mostra que, no dia 23 de fevereiro, Dominguetti já falava em encontrar Dias no dia do jantar.
  • Dias negou que tenha negociado a compra dos imunizantes oferecidos pela Davati e que tenha pedido propina. O ex-diretor do Delog afirmou que, no encontro, apenas pediu que Dominguetti entrasse em contato com sua assessoria para agendar uma reunião. O objetivo, segundo Dias, era que Dominguetti apresentasse um documento que comprovasse que ele era representante da AstraZeneca.
  • No depoimento, o ex-diretor do Delog chamou Dominguetti de “picareta”.

Reunião no Ministério da Saúde

  • Roberto Dias disse que a reunião foi marcada para o dia seguinte ao do jantar, 26 de fevereiro, às 15h, no Ministério da Saúde.
  • Contrariando o que afirmou Dominguetti, o ex-diretor do Delog negou que tenha negociado imunizantes na ocasião.

Elcio Franco

  • Roberto Dias disse que não era o responsável por negociar imunizantes, apesar das conversas que tinha com representantes de empresas. Segundo ele, essa era uma atribuição da Secretaria Executiva da pasta, comandada por Elcio Franco.
  • Apesar disso, não soube explicar por que as ofertas de vacinas não foram endereçadas a seu superior.
  • O ex-diretor do Delog negou que seu departamento fosse responsável por checar valores de imunizantes. A informação contradisse o depoimento de Elcio à CPI no mês passado, que afirmou que o departamento de Dias fazia levantamentos de preços de vacinas.
  • O senador Renan Calheiros propôs uma acareação entre os dois ex-servidores para colocar em xeque as contradições.

Exoneração

  • Roberto Dias disse desconhecer que, em 2020, foi alvo de um pedido de demissão movido pelo então ministro Eduardo Pazuello. Como mostramos, a exoneração foi vetada por Jair Bolsonaro.

Ricardo Barros

  • Roberto Dias admitiu que já esteve pelo menos uma vez na casa do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros. O deputado foi um dos responsáveis por indicar o ex-servidor para o Departamento de Logística do Ministério da Saúde.
  • Dias justificou o encontro dizendo que tem contato com muitos políticos do Paraná, onde começou sua carreira.
  • Apesar disso, negou que Barros tenha exercido qualquer influência sobre suas nomeações para cargos no Ministério da Saúde.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO