1 ano do impeachment: “Não há dúvida de que o Brasil melhorou”

Arthur Maia, relator da reforma da Previdência, gravou um vídeo para O Antagonista sobre o impeachment de Dilma Rousseff, um ano atrás.

O deputado diz que a saída da petista ajudou a acabar com “aquela ideia bolivariana” na economia.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Ler mais 9 comentários
    1. Que o destino que o PT nos tinha traçado era o bolivarianismo de Maduro, não restam dúvidas. Fomos salvos pelo povo nas ruas, a imprensa livre e independente e a operação “Lava Jato”, isto tudo acabou por impor o processo de impeachment.

      1. Só isso? E o interesse da quadrilha do PMDB de tomar o poder, você não leva em conta? E os interesses neoliberais do “mercado”? Essas variáveis também tem de ser consideradas..

    2. Bem que podia ter havido uma revisão do vídeo, antes de publicar:
      “…o desemprego parou de cair…” (aos dez segundos)

    3. Mentiroso, hipócrita. Certamente esta melhorando pra voces que estão ganhando li9beração de emendas, cargos e certamente outras “coisitas” mais, deste presidente réu e refém. Cambada de……..de……….

    4. Teve um grande avanço em relaçao ao que o PT deixou e isso é inegável. Pec do teto, Pec reforma trabalhista, fim da mafia dos cartorios, fim do bolsa empresario, fechando as torneiras do bndes, inflacao caindo, dolar abaixo de 3,50? Privatizacoes e concessoes e mais um monte de coisas que eu posso listar aqui. Temer sim é o melhor presidente desde Itamar Franco. Desafio qualquer um me provar o contrario.

    5. COM OUTRO IMPEACHMENT, O BRASIL VAI MELHORAR MAIS AINDA, SÓ QUE ESTE QUE SEJA GENERALIZADO, PARA 90% DOS BANDIDOS DE BRASILIA

    6. O cara é um militonto que repete tudo que o chefe da Orcrim diz, até os erros: “o desemprego parou de cair”. Meus Deus, como Brasília emburrece as pessoas.

      O Golpe contra a Dilma será lembrado como o maior tiro no pé da história. Vide o que aconteceu com Temer, Aécio et caterva.

    Os comentários para essa notícia foram encerrados.