"Excrescência, aberração jurídica", diz Thaméa Danelon sobre soltura de André do Rap

“Excrescência, aberração jurídica”, diz Thaméa Danelon sobre soltura de André do Rap

Na entrevista ao Gabinete de Crise, a procuradora regional Thaméa Danelon afirmou que o caso André do Rap evidenciou a urgência da aprovação da PEC da prisão em segunda instância. “É um exemplo clássico de impunidade.”

Segundo ela, a decisão de Marco Aurélio que soltou o narcotraficante é uma “excrescência, uma aberração jurídica”, uma brecha aberta pela aprovação do artigo 316, que prevê a reanálise da prisão preventiva do investigado a cada 90 dias.

“Jamais o ministro poderia dar essa decisão se atendo apenas a esse prazo. Teria que olhar o caso todo, a periculosidade do réu.”

Ela ressalta que André do Rap ficou foragido da Justiça por cinco anos e que foi descoberto com o criminoso um “patrimônio extraordinário”, além de seu envolvimento “coma máfia calabresa”.

Assista à íntegra:

Leia mais: Marco Aurélio e o caso André do Rap: confira os desdobramentos com informações exclusivas
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 37 comentários
TOPO