“Procuradoria defende militantes contra cidadão”, diz fundador do Escola Sem Partido

Em entrevista a O Antagonista, Miguel Nagib, fundador do movimento Escola Sem Partido, chama de “inversão” a atuação de Deborah Duprat, da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, contra o projeto de lei Escola Sem Partido e fala da relatoria do caso no STF pelo ministro Luís Roberto Barroso.

Assista ao trecho abaixo e clique aqui para assistir à entrevista completa.

"Procuradoria defende direitos dos servidores militantes contra os do cidadão", diz fundador do Escola Sem Partido 05:10

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 19 comentários
    1. Barroso e Fachin? Quê quê isss amigoooo! O ideal seria colocar TODO esse supremo ao chão!!! TOCÁ FOGOOO!! No mínimo !!! VEJA OS DESSERVIÇOS QUE TÊM PRESTADO À POPULAÇÃO NAS ÚLTIMAS DÉCADAS ?!!! QUANDO TEM O ESPÍRITO DE AGIR, É SÓ NA CONTRA MÃO DO ESPERADO E DA RAZÃO!!!

  1. O que o Temer está esperando. A Dupra tem que ser EXONERADA imediatamente!!! E temos que ficar muito de olho no ministro Barroso que já mostrou sua “flexibilidade” em temas polêmicos como liberação de drogas e aborto!

  2. Vocês se recusam a enxergar ! :
    http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/indicado-ao-stf-admite-influencia-do-pt-e-de-marx-na-sua-formacao/
    “Indicado nesta quinta-feira (23) pela presidenta Dilma Rousseff para o Supremo Tribunal Federal (STF), o advogado constitucionalista Luís Roberto Barroso..”

  3. A Universidade Pública, em especial a UFMG, virou um ANTRO ESQUERDISTA que distorce a história e faz lavagem cerebral em nossos jovens.
    Ministro Mendonça Filho, quando o senhor colocará fim a essa violência???

  4. Estou lembrada dessa dona. Ela disse certa feita que “a criança não é propriedade da família”. Para essa estrupícia, eu, que SUSTENTO meus filhos, não tenho o direito de lhes dar direcionamento moral/religioso, sendo que QUALQUER COISA DE ERRADO que acontecer na vida deles, será PROBLEMA MEU (tipo, gravidez indesejada, doenças sexalmente transmissíveis, uso de drogas) e não do professor doutrinador ou da escola! Se uma tranqueira de um professor destruir a cabeça de meu filho e isso trouxer consequências trágicas pra a vida deles, isso SERÁ PROBLEMA SÓ MEU. Gente CA-NA-LHA!

  5. Se os milicos de 1964, tivessem atentado para a necessidade de impedir a politização esquerdista e suas armadilhas nas escolas – inclusive as religiosas – o Brasil não estaria na situação em que está.

  6. Debora Duprat deveria ser condenada a prisão perpétua por crime lesa pátria! Precisamos tornar o comunismo como crime com prisão de no mínimo 13 anos e de perpétua para servidores públicos que esteja em cargos como juízes e procuradores quando em seu excercício defenderem causas marxista!

  7. Não tem professorzinho petista da Unb que vá impedir a derrocada e a implosão do PT. Pode fazer a doutrinação que quiser que Lula, Dilma e PT estão se acabando. Em breve essa desgraça terá desaparecido do Brasil. Vi nas discussões entre os próprios alunos da Unb que a maioria desaprova o lixo que querem implementar no Curso de Ciências Políticas. Minha filha é aluna da Unb e li os comentários dos alunos.

  8. Se o escola sem partido não passar por conta dos Barrosos da vida que estão preocupados só com aborto e gaysismo, , resta aos alunos GRAVAREM os professores que fizerem propaganda para partido dentro da sala de aula e depois abrir uma representação contra esse professor. Afinal, É LEI: NENHUM SERVIDOR PODE FAZER PROPAGADA POLÍTICA DENTRO DE UMA REPARTIÇÃO PÚBLICA. É PROIBIDO USAR BENS E IMÓVEIS (= SALA DE AULA) para fazer propaganda política, bem como é vedado ao servidor USAR DE SEUS SERVIÇOS para favorecer candidato ou partido.
    Acho que deveríamos começar um novo movimento: MINISTÉRIO PÚBLICO SEM PARTIDO!

    1. Vai ver é por isso que os governos petistas estão investido PESADO na contratação de REDAS…as pessoas contratas segundo este regime não são servidores, não respondem as tais leis.