“Não há disposição para fazer os cortes”

“Não há disposição para fazer os cortes”
Arte: Joelto Mata

O economista Felipe Salto, do Instituição Fiscal Independente, comentou as manobras para aprovar a retomada do auxílio emergencial por fora do teto de gastos.

Salto afirma que o crédito extraordinário é um instituto previsto na constituição para casos de imprevisibilidade ou urgência, como calamidade ou guerra.

Segundo ele, o teto de gastos prevê essa exceção, por isso não se trata de contabilidade criativa.

No entanto, o economista alerta que “despesa é despesa”.

“Não adianta você ter um subterfúgio de não contabilizar na regra e esquecer que ela afeta a dívida. Isso afeta o déficit primário e a dívida pública.”

Salto defende que, para acomodar as novas despesas, seria necessário cortar gastos excessivos, como o reajuste dos militares e concursos públicos.

Para o economista, “não há disposição para fazer os cortes”.

Leia mais: A prisão do deputado Daniel Silveira, que ofendeu ministros do STF num vídeo, é mais um capítulo da avacalhação da democracia brasileira.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO